Pular para o conteúdo principal

Os Jetsons e os valores morais: conceito elevado e sempre moderno!

Ontem a noite ouvi uma música inconfundível vindo da TV da nossa sala "tam-tam--tam-tam"... e eu falei do quarto para minha mulher: "são os Jetsons"? Ela disse: "são os Jetsons"! 

Imediatamente deixei meus planos de ir dormir mais cedo, acomodei-me na sala e paramos para assistir ao desenho animado que marcou presença na infância de incontáveis pessoas, inclusive nas nossas.


A cena mais engraçada que eu achava desde criança era na abertura, quando o George entregava a sua esposa Jane uma nota de dinheiro e ela na verdade pegava era a carteira dele! Depois eu descobri que isso é verdade, o futuro não mudou a perspectiva das esposas, rsrsr..... Minha esposa e eu trabalhamos, ambos geramos renda para nosso orçamento, mas é incrível como ela sabe até quanto eu tenho na carteira, ainda que eu mesmo não saiba, rs. Sem dúvida mulheres são melhores em percepção financeira do que os homens.

"Mas, o que os Jetsons têm a ver com a vida diária sob a ótica cristã, que é o tema do seu blog?" - você pode me perguntar. 

Infelizmente muita coisa.

Analisando as ideias da Hanna-Barbera, empresa de desenho animado criada pela dupla de cartunistas norte-americana William Hanna e Joseph Barbera, criadora da série, vemos a projeção que era feita, nos anos 60 (época em que foi criado o seriado), do que seria o futuro. Comidas em pílulas, produtos de avançadíssima tecnologia, robôs que fariam muitos dos nossos serviços, carros voadores e até cidades aéreas (se bem que ontem eu vi pela primeira vez o "chão" em "The Jetsons"!).

Algumas tecnologias nós já temos hoje, como o vídeo-conferência, por exemplo (embora o vídeo não venha 'voando' até nós, nem fique flutuando na sala, rs...).

Muita coisa foi projetada, como avanço, coisas que não temos até hoje. Mas, era o que as pessoas viam como o futuro, como seria a evolução das coisas. Assim imaginavam que seria o progresso.

Entrementes, o que achei mais curioso assistindo a série em nossos dias é: o conceito de família não mudaria em diversos anos a frente.

Num futuro avançado, evoluído, de altíssimo e refinado conhecimento, o modelo ainda seria: o homem, a mulher e sua prole. E um bicho de estimação (no caso deles, o enorme cão "Astro"). O trabalho também não foi descartado, George era empregado da "Spacely Space Sprockets", empresa de Cosmo C. Spacely, casado com a Sra. Spacely (uma madame espacial, rs), que concorria no mercado de engrenagens com Sr. Cogswell/Cósmico. Os filhos de George e Jane, Judy e Elroy Jetson teriam o modelo de mãe (mulher), pai (homem). Judy era bem feminina, com sua voz doce, cuidados com aparência, gostava de garotos e tinha um diário. Elroy era um garotão esperto, tinha seus jogos eletrônicos, perguntava coisas ao pai e gostava muito de chamar a atenção.

Tudo corria normalmente para a sociedade em "The Jetsons", eles evoluíram muito, mas não abriram mão de VA-LO-RES. E isso foi o que mais me chamou a atenção na mente de quem criou o seriado e das que o assistiam.

As pessoas queriam evoluir tecnologicamente, mas não desejavam abrir mão de princípios na sociedade. E, na verdade, não fosse a influência da mídia, a pressão política, as jogadas e manobras, elas ainda não iriam querer outro modelo de família e de sociedade: estavam satisfeitas com o modo como viviam. Numa série que mostrava tantas mudanças - radicais até para nossos dias de tecnologia nunca dantes vistas - não houve um milímetro sequer propondo a alteração no modelo social-familiar. Não se tem notícias de que as pessoas que assistiam ao seriado fizeram tal proposta. Na verdade, todos gostavam de ver os Jetsons, e creio que gostam até hoje, por causa disso: na série, temos mudanças em áreas que se fato devem mudar, mas com a conservação do natural da humanidade.

Outra coisa que percebemos na família projetada para ser a família do futuro era a ausência da sensualização das vestimentas dos personagens. Jane e Judy (mãe e filha) eram esbeltas e bonitas, com trejeitos delicados, mas não se observa corpos sendo exibidos como numa vitrine de carnes do supermercado. Elroy (o filho) vestia-se como um menino, usando inclusive um bonezinho espacial. Geoge  trajava roupas normais e não era metrosseuxal; aquele chefe de família não tinha a obrigação de ter que ser um garotão para o resto da vida. Todos tinham suas identidades de gênero preservadas.

Eles tinham uma empregada, a Rosie, a qual, mesmo sendo um robô, tratavam bem. Na verdade vemos o tratamento educado no meio da sociedade em todo o desenho. Sim, havia esteriótipos como o mal humor do chefe, as pessoas mal-educadas, mas eram ícones, não o padrão - tanto que se destacavam como chavões para o humor.

Sem dúvidas os Jetsons deixaram lembranças e o desejo de sempre serem vistos de novo, que foi o que eu fiz ontem. Ainda queremos alguns avanços que eles tinham, mas, contrastando a nossa vida diária de hoje com a deles, eu desejo mais do que a tecnologia: desejo os valores da sociedade que ali eram retratados. Naturalmente não eram perfeitos, mas tipificavam uma sociedade muito diferente da nossa atual: era melhor.

Quando pensavam no futuro as pessoas já enxergavam valores morais como um conceito elevado e não viam motivos para mudá-los. Numa série com tantas mudanças, eles foram mantidos. Sempre.

Eles tinham acesso a Marte, Vênus, e a lua; mas não quiseram mudar o conceito de família: porque este é um conceito criado por Deus para o ser humano na terra (ou em Marte, Vênus ou na lua; onde quer que venhamos a chegar :) ), e tudo o que Ele faz é perfeito. E o que é perfeito não tem como evoluir, porque já é TOP. O que se precisa fazer é manter e lutar por ele, em função da Queda do homem no pecado.

"Por essa razão, o homem deixará pai e mãe e se unirá à sua mulher, e eles se tornarão uma só carne" - Gênesis 2.24 (confirmado no Novo Testamento em: Mateus 19:5, Marcos 10:7 e Efésios 5:31).

Se você quer matar saudade da abertura, assista ao vídeo abaixo:



A vida seguia normal assim e nada impediria a evolução da mente e dos projetos humanos.

Por Leandro Hüttl Dias

Comentários

  1. Muito bom e verdadeiro o texto. Parabéns meu filho. abs. Pai

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, pai.
      Meu desejo é que ele some com influência positiva nas famílias!
      Abs, Filho.

      Excluir

Postar um comentário

Faça um blogueiro feliz, comente :) !

Obs.: Caso você tenha dificuldade em publicar seu comentário, verifique o campo Comentar como e selecione Anônimo. Depois, faça seu comentário e assine no final. Pronto! É só aguardar a publicação dele, o que normalmente faço em até 24h.

Postagens mais visitadas deste blog

A experiência de continuar sendo salvo

Convido você a assistir este vídeo onde exponho a mensagem bíblica: "A experiência de continuar sendo salvo".



Gostou do vídeo? Compartilhe no Facebook, no Twitter e nas demais plataformas usando a ferramenta abaixo. Sugira novos temas. Deixe seu comentário abaixo.

FORMATURA CASADOS PARA SEMPRE - Turma IBMA 2012 / 1º Semestre

O Curso "Casados para sempre" tem alcançado pessoas ao redor do mundo todo com uma visão bíblica sobre casamento.
No dia 03 de junho de 2012 tivemos a formatura da primeira turma da Igreja Batista Maysa I, pela graça e bençãos de Deus.

A formatura aconteceu no culto de domingo a noite, e o pastor nos repassou a direção do mesmo, assim fizemos um culto das famílias para Deus. O Senhor nos abençoou com uma Palavra edificante e profunda, confirmando cada vez a suficiência da Bíblia em fornecer toda a direção necessária para a vida humana, sobretudo familiar, por meio da fé em Jesus Cristo, com a ação do Espírito Santo, pela graça de Deus.

Os casais tiveram o momento de testemunhar e cada cônjuge falou aquilo que Deus fez nas suas vidas, o que começou e está continuando. Falaram das aulas que mais gostaram e incentivaram, de livre vontade, os presentes a fazerem o Casados para Sempre. Todos os testemunhos, sem exceção, foram sinceros e demonstraram aquilo que Deus operou por mei…

GRANDES projetos, mas sem DEUS (Julio Oliveira Sanches)

Na vida diária temos muitos detalhes que fazem a diferença para os sucessos que desejamos (no sentido de objetivos serem atingidos). Escrevendo para O Jornal Batista (Ano CXIII, Edição 10), o pastor Julio Oliveira Sanches comentou acerca de grandes projetos que essa era tem feito, mas excluindo Deus, e, portanto, as consequencias colhidas. Preste muita atenção nas suas colocações, pois foi exatamente o que me fez escolher este artigo para a semana. Os destaques são meus. Confira na íntegra abaixo:

Faz parte da natureza corrompida pelo pecado "sonhar” grandes projetos para Deus, mas sem respaldo da aprovação divina. Uma tentativa de comprar os favores divinos e compensar os pecados não confessados e não perdoados. Deus não é consultado, tampouco participa da elaboração e execução das megalomanias humanas. O nome de Deus é citado como fetiche aprovador das maluquices humanas. Cabe a Deus dar a aprovação final com suas bênçãos para que o sucesso alimente os egos desequilibrados dos q…