Pular para o conteúdo principal

Maridos Que Se Preocupam Demais


 “Quando Raquel viu que não dava filhos a Jacó, teve inveja de sua irmã. Por isso disse a Jacó: ‘Dê-me filhos ou morrerei!’ Jacó ficou irritado e disse: ‘Por acaso estou no lugar de Deus, que a impediu de ter filhos?’” Gn 30.1-2 NVI.

Numa leitura clássica sobre problemas de família, em especial da figura do marido, vemos em destaque o prejudicial machismo. Contudo, na observação da vida diária, tenho visto um tipo de problema, que possivelmente muitas pessoas não acreditam que exista: o marido que se preocupa demais.

A Bíblia diz o seguinte: “Quero, porém, que entendam que o cabeça de todo homem é Cristo, e o cabeça da mulher é o homem, e o cabeça de Cristo é Deus” 1 Co 11.3 NVI. 

A partir disso, criou-se a doutrina que o marido é o cabeça da casa, o chefe da sua família e o líder no casamento. Essas afirmações têm implicações boas e ruins.

Por um lado há um ensino deturpado, onde o homem é o cabeça para atuar como o capataz da família e da esposa, e todos tem que obedecer ao próprio ego dele, que está corrompido pelo pecado. E por outro, há um ensino de que o marido deve assumir todas as responsabilidades e necessidades dos filhos e da mulher; em resposta a isso temos uma enorme cobrança externa e interna.

Externa porque a sociedade de certa forma pensa: ensinamento dado, ensinamento vivido, a partir de agora, “o cara que dê o seu jeito”. Interna quando identificamos um percentual de maridos que vivem com uma auto-cobrança além da medida.

Quando acontecem tempestades na vida, ele se cobra. Se há uma crise financeira, ele se abate (mas essa é clássica nos homens, rs..). Se há problemas emocionais com sua esposa, ele pode pensar que não está dando atenção suficiente. Você acredita que eu já li “ensinos para maridos” que diziam, inclusive, que ele seria cobrado por Deus se sua mulher estivesse infeliz(!)? É claro que em alguns casamentos uma mulher pode ter problemas emocionais por causa do machismo. Mas, em outros casamentos, não.

A verdade é que os casais vivem numa era pós-moderna, plural em termos de opções, problemas e demandas sociais. E todo esse redemoinho tem reflexo no casamento, marido e mulher estão inseridos num contexto social e recebem dele influência. E não apenas das questões do presente, há situações de infância, como filhos de famílias disfuncionais, e, ainda, o pecado dentro de cada um e a própria pessoa do mal, Satanás. A questão é complexa, mas levada pouco a sério em termos de investimento de tempo para trabalhá-la. Por isso, temos casamentos caindo como moscas.

No caso de Jacó e Raquel, no versículo destacado acima, ficou claro que havia um problema que apenas Deus podia tratar. Nem tudo é responsabilidade de uma pessoa no casamento. No papel em comento, do marido, a ideia de que ele é o cabeça da relação não pode ser vista como uma peça solta. Ele é um elemento dentro de um contexto, conforme 1 Co 11.3. Uma engrenagem (gosto de pensar assim). E é aqui que está a chave para a solução dele não se cobrar tanto. Toda engrenagem se move porque há um motor. O motor é Deus, provedor de todas as coisas. A força vem de Deus.

Neste minuto de reflexão, aconselho os maridos que façam como Jacó. Diante de uma pressão impossível, digam a si mesmos: “acaso sou Deus”? Esses caras responsáveis precisam afrouxar a gravata e confiar mais no SENHOR, sabendo que mesmo sendo o cabeça, homens não são os donos de suas famílias. Deus é o dono.

Portanto, fica aqui a seguinte conclusão (de forma resumida, objetiva e numa linguagem que todo homem vai entender): há problemas que os administradores resolvem, pois isso lhes é inerente pela função que exercem; mas há outros que só se resolvem com o dono. O melhor é que no caso de Deus (o dono), Ele é o cabeça do homem (administrador), é Fiel, ama toda a família como Pai, e garantiu o seguinte: “...eis que estou convosco todos os dias, até a consumação dos séculos. Amém” Mt 28.20b ARC.

Fechou?

Pense nisso. Um abraço,

Leandro Hüttl Dias

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A experiência de continuar sendo salvo

Convido você a assistir este vídeo onde exponho a mensagem bíblica: "A experiência de continuar sendo salvo".



Gostou do vídeo? Compartilhe no Facebook, no Twitter e nas demais plataformas usando a ferramenta abaixo. Sugira novos temas. Deixe seu comentário abaixo.

FORMATURA CASADOS PARA SEMPRE - Turma IBMA 2012 / 1º Semestre

O Curso "Casados para sempre" tem alcançado pessoas ao redor do mundo todo com uma visão bíblica sobre casamento.
No dia 03 de junho de 2012 tivemos a formatura da primeira turma da Igreja Batista Maysa I, pela graça e bençãos de Deus.

A formatura aconteceu no culto de domingo a noite, e o pastor nos repassou a direção do mesmo, assim fizemos um culto das famílias para Deus. O Senhor nos abençoou com uma Palavra edificante e profunda, confirmando cada vez a suficiência da Bíblia em fornecer toda a direção necessária para a vida humana, sobretudo familiar, por meio da fé em Jesus Cristo, com a ação do Espírito Santo, pela graça de Deus.

Os casais tiveram o momento de testemunhar e cada cônjuge falou aquilo que Deus fez nas suas vidas, o que começou e está continuando. Falaram das aulas que mais gostaram e incentivaram, de livre vontade, os presentes a fazerem o Casados para Sempre. Todos os testemunhos, sem exceção, foram sinceros e demonstraram aquilo que Deus operou por mei…

GRANDES projetos, mas sem DEUS (Julio Oliveira Sanches)

Na vida diária temos muitos detalhes que fazem a diferença para os sucessos que desejamos (no sentido de objetivos serem atingidos). Escrevendo para O Jornal Batista (Ano CXIII, Edição 10), o pastor Julio Oliveira Sanches comentou acerca de grandes projetos que essa era tem feito, mas excluindo Deus, e, portanto, as consequencias colhidas. Preste muita atenção nas suas colocações, pois foi exatamente o que me fez escolher este artigo para a semana. Os destaques são meus. Confira na íntegra abaixo:

Faz parte da natureza corrompida pelo pecado "sonhar” grandes projetos para Deus, mas sem respaldo da aprovação divina. Uma tentativa de comprar os favores divinos e compensar os pecados não confessados e não perdoados. Deus não é consultado, tampouco participa da elaboração e execução das megalomanias humanas. O nome de Deus é citado como fetiche aprovador das maluquices humanas. Cabe a Deus dar a aprovação final com suas bênçãos para que o sucesso alimente os egos desequilibrados dos q…