Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de 2013

DE MANEIRA DIFERENTE - Feliz Ano-Novo!

Em seu livro "Plantando Igrejas Contextualizadas", Charles Brock diz o seguinte: “Os métodos mudam com frequência, mas os princípios nunca mudam”. Partindo deste princípio quero propor a você, nesta virada de ano, uma abordagem diferente acerca dos “planos para o Ano-Novo”. Não faça “listas de coisas para o ano”, mas reveja o que está sempre no seu coração, aquilo que você deseja alcançar, porque sabe que estão dentro da vontade de Deus (através da oração, da Palavra e da orientação do Espírito Santo). Depois, pense o motivo delas não terem sido realizadas. Se a questão é que não estão no tempo de Deus, tudo bem, espere - porém, se a questão não for tempo, TENTE A MESMA COISA, DE MANEIRA DIFERENTE. Mantenha os princípios, aquilo que Deus tem trabalhado em seu coração, porém... esteja aberto(a) a novos métodos: isso para sua vida espiritual, pessoal, familiar e seu ministério na Igreja. A Palavra de Deus diz: "Não vos lembreis das coisas passadas, nem considereis as ant…

Teololatria: os adoradores de suas teologias

Quando vejo os homens adorando e idolatrando as suas teologias, lembro da passagem de Daniel 5.4, onde os ímpios bebiam vinho nas taças tiradas do Templo do Senhor, louvando aos "deuses" de ouro, prata, bronze, ferro, madeira e pedras - todos materiais perecíveis, desde o que consideramos mais nobre ao mais comum. Usavam coisas de Deus, porém para fins humanos, egocêntricos e institucionais.
É uma idolatria quando vemos pessoas SEMPRE dizendo "a nossa teologia é mais bíblica, a melhor, a mais correta, a melhor para instruir nisso ou naquilo".
Olho pasmado para a adoração aos textos antigos escritos por grandes teólogos, mas que desejavam era a glória de Deus e a edificação da Igreja e hoje há pregadores e pastores com taças de vinho nas mãos, embevecidos, idolatrando seus "deuses", i.e, suas teologias - "as melhores, as mais bíblicas, as corretas, as mais importantes, as ortodoxas". As outras são: "heresias, desvios de doutrina, paganismo;…

O que estão fazendo com o evangelismo?

“Fiz-me fraco para com os fracos, com o fim de ganhar os fracos. Fiz-me tudo para com todos, com o fim de, por todos os modos, salvar alguns”. - 1Co 9.22 Usando esse texto como pretexto, muitas pessoas têm feito, sob o nome de “Evangelismo”, uma verdadeira confusão na igreja. Começam a balisar as ações evangelísticas conforme a moda ditada pelo mundo. Compreendo que podemos fazer contextualização, porém, o que se têm feito é dar uma fantasia gospel a certos modismos, talvez para “cristianizar” o assunto. Exemplifico: Quando a música de Michel Teló saiu nas rádios, TV e internet (“Ai, se eu te pego”), logo apareceu um vídeo com uma música gospel cujo refrão era “Pai, eu te quero”. Ora, fico pensando... será que quem ouve Teló será alcançado por uma versão com “vocabulário crente” do ritmo? Sinceramente... às vezes acho que isso é mais uma tentativa de se parecer com o mundo (mas com um rótulo gospel) e não precisar encarar a transformação e o ser diferente (Rm 12.2). Que ensino tem sid…

Relacionamento com Deus

A despeito do movimento "politicamente correto" onde todo mundo diz que se entende com Deus, que tem as suas conversas com Ele, que O ama e etc, a Bíblia nos exorta o seguinte: "Mas as suas maldades separaram vocês do seu Deus; os seus pecados esconderam de vocês o rosto dele, e por isso ele não os ouvirá” - Is 59:2 NVI. O pecado afeta o relacionamento com Deus.  Muita gente crê no “deus na Xuxa”, "o cara lá de cima", legalzão, que basta eu ser carismático e comunicativo com ele para, então, ele me aceitar assim do jeito que eu sou, afinal, ele me entende e eu sou bonzinho em outros aspectos da vida. Ou seja, acham que Deus é um ser humano, que aceita o pecado dos seus iguais se a pessoa for legal, "faixa", camarada, parceiro... Mas se esquecem de que Deus é Santo (1Pe 1.16)! É bem verdade que Deus recebe as pessoas do jeitinho que elas estão, seja qual for o pecado; Deus as aceita e acolhe, porém Ele faz isso com o objetivo de purificá-la, logo depo…

Qual é o bem da vida?

As revistas, a televisão e os palestrantes nos dizem que o ideal da vida é usar nosso potencial ao máximo, produzindo, gerenciando projetos e equipes.

O problema é que quando deixamos a revista em cima da mesa, desligamos a TV ou saímos das palestras, deparamo-nos com a vida real, que traz seus conflitos, seus desafios, seus problemas (Jesus disse: "mundo tereis aflições" Jo 3.16). Além disso, encontramos necessidades não previstas no enredo na novela, no ideal das revistas e às vezes nas fantasias dos palestrantes: uma família para ser cuidada, necessidades emocionais para atender e esperando para serem atendidas, e o principal: Deus e Sua Palavra para ser seguida como modelo de vida (que é o oposto dos conteúdos da TV, revistas e palestras).

Isso gera um problema: quando comparamos nossa vida real com o conteúdo marqueteiro que recebemos podemos ficar frustrados. Então, de alguma maneira, o formato que foi programado em nossas mentes não se cumpre e podemos pensar: "…

Igreja pela TV e internet... até que ponto?

“Não deixemos de congregar-nos, como é costume de alguns; antes, façamos admoestações e tanto mais quanto vedes que o Dia se aproxima.” (HB 10.25)
O assunto ao qual este versículo está inserido é a verdade de que, pelo Sangue de Jesus podemos entrar na presença bendita de Deus, pois fomos justificados por Ele. Porém, diz ainda mais.
Na continuidade do seu texto, o autor de Hebreus discorre acerca de algumas necessidades da nossa fé. A primeira é que devemos guardar firme a confissão que fizemos (antes do batismo fizemos a profissão de fé, dizendo que acreditamos que nossa salvação é somente pela graça, por meio da fé em Jesus Cristo, não é mérito nosso, ou seja, não é salvação pelas obras). E depois ele nos alerta para que não deixemos de congregar, conforme o versículo acima.
Tão importante quando crer no Senhor é também ter comunhão com Seu corpo, a igreja, os irmãos. Hoje o mundo evangélico nos fornece um cristianismo experimentado no sofá de casa, em frente a TV ou à internet. Até…

QUAL É A SUA PRIORIDADE?

Nossos dias, meses e anos estão cada vez passando mais rápido. São pessoas nascendo, crescendo, morrendo. Algumas vivendo intensamente, outras com marasmo. Algumas com seriedade, outras não. 
Preocupamo-nos em fazer uma boa faculdade, em ter uma boa qualificação no mercado de trabalho, em ter uma carreira bem sucedida. 
Em nossas igrejas, ocupamos cargos importantes que ajudam pessoas e a organização. Cantamos em grandes corais, organizamos campanhas, preparamos estudos, entre outras coisas. 
Dispomos de tempo para tudo. Para um futebol com amigos, umas compras no shopping, um cinema, um jantar importante, uma viagem programada, e assim vai. 
Com essa vida corrida sempre temos prioridades diferentes. Prioridades essas, que muitas vezes ficam distorcidas e desajustadas. 
Creio na seguinte ordem de prioridade: 
Deus,  Cônjuge,  Filhos,  Trabalho,  Igreja. 
Alguns me perguntam o que acontecerá se essa ordem for invertida? Eu certamente lhe direi que você terá problemas. 
Penso em uma ló…

DEIXE A CARGA!!!

"Vinde a mim, todos os que estais cansados e sobrecarregados, e eu vos aliviarei. Tomai sobre vós o meu jugo e aprendei de mim, porque sou manso e humilde de coração; e achareis descanso para a vossa alma. Porque o meu jugo é suave, e o meu fardo é leve".- Mateus 11:28-30

Você já parou para pensar que, para estar livre de suas cargas, é necessário que você tome a decisão e a coragem de largá-las? Já imaginou que o fato de estar tão preso a seus problemas pode estar impedindo o agir de Deus? Já pensou que Deus pode estar demorando a dar a resposta que você precisa simplesmente porque é necessário que, em primeiro lugar, você deixe a carga? 
Leia com atenção a mensagem que deixo pra você hoje. Leia quantas vezes for necessário para que o Espírito Santo de Deus fale ao seu coração. Tenha atitude de fé e a sua vida certamente mudará!
Um conferencista falava sobre gerenciamento da tensão. Levantou um copo com água e perguntou à platéia: - Quanto vocês acham que pesa este copo d’á…

Energia limpa

Consciente ou inconscientemente, o homem reconhece, por seus atos, que precisa de uma força, maior que a sua própria. Além de força, reconhece, também, que precisa de refúgio e alívio das pressões impostas pela vida - necessitando ser consolado. Muitos buscam essa força e consolo no álcool, onde imaginam que aliviam o stress e sentem-se mais arrojados para encarar as ações. No mesmo viés existem aqueles cuja busca dessa fonte externa está na vida lasciva. Há quem procure nas drogas. Alguns dedicam-se a espiritualidade que promete barganhas: trabalhos, feitiços... no meio político, por exemplo, é sabido que quando o homem vê que a tarefa diante de si é pesada demais, recorre à magina negra para diversos fins. Ocorre que muitos buscam essas coisas porque elas permitem que eles continuem com uma vida licenciosa, libertina. Só que tais "forças" e "energias" cobram seu preço: engano e prejuízo, porque a "força" que dão é menor do que o que tiram do indivíduo. …

OS PEQUENOS MILAGRES DE CADA DIA!

Por Sérgio Müller

Vamos começar o dia com uma pergunta bem simples: Você tem agradecido a Deus pelos pequenos milagres de cada dia?
Pergunto isso porque hoje em dia quase só ouvimos as pessoas comentarem dos "grandes feitos" do Senhor. Hoje parece que só celebramos as grandes conquistas, que não acontecem todos os dias, e por isso nos esquecemos das pequenas manifestações diárias do amor de Deus.
As canções de louvor preferidas por muitos hoje em dia são aquelas cujas letras contenham palavras como: "Faz chover, Senhor!"; "Derrama chuva neste lugar!"; "Vem inundar o meu coração!"; "Faz esse rio transbordar!" e muitas outras desse tipo. Nada contra esse tipo de canção, mas você já percebeu que essas canções nos fazem apenas desejar e lembrar as "grandes bênçãos" do Senhor? (Como se toda bênção do Senhor não fosse grande!). No coração de muitas pessoas bênçãos só são bênçãos se envolverem: Abundância e Qualidade!
Abra a sua Bíb…

A Reforma da Igreja - Parte I

Por Franklin Ferreira


A época em que os reformadores viveram foi de grande inquietação. Foi o tempo do descobrimento das Américas; imperadores, reis, generais e papas lutavam entre si, para tentar moldar a Europa moderna; a Igreja Católica detinha a supremacia espiritual, cultural e política, e as tentativas de reforma, como as de John Wycliffe (1328-1384) e Jan Huss (1373-1415) foram esmagadas. Surgiram gênios como Erasmo, Miguelângelo, Da Vinci, Rafael, Colombo, Copérnico. Mas o fim da Idade Média foi marcado por uma inquietação profunda com a morte, culpa e perda de sentido. A teologia de Lutero, Zuínglio, Calvino e dos demais reformadores foi uma resposta específica às ansiedades desta época. O estudo da Reforma é divido em duas partes: a "reforma magistral" (que aconteceu com o apoio do Estado) e a "reforma radical" (que aconteceu sem o apoio do Estado, e muitas vezes, perseguido por este).
1. A "reforma magistral"
a) Martinho Lutero Nasceu em 10 de nov…

A Reforma da Igreja - Parte II

Por Franklin Ferreira


Se ainda não leu a primeira parte, clique neste link.
2. A "reforma radical" Houve quatro tipos de anabatistas: os racionalistas, que enfatizavam a razão (rejeitando doutrinas como a Trindade, as doutrinas ortodoxas da pessoa de Cristo, salvação pela graça etc.), escatológicos e espiritualistas, que enfatizavam uma iluminação espiritual mais importante que as Escrituras (liderados por João Matthys e João de Leyden, que estiveram envolvidos em uma sucessão de acontecimentos desastrosos, os quais culminaram na destruição da cidade de Münster, na Alemanha, de 1532 a 1536) e os evangélicos, que enfatizavam a autoridade das Escrituras e o discipulado (os menonitas são os herdeiros diretos deste grupo).
Em 1523, os anabatistas começaram a se opor a Ulrich Zuínglio, por causa do batismo infantil, que era praticado por ele. Em 1525, Conrado Grebel e Jorge Blaurock foram rebatizados em Zurique. A principal ênfase do movimento anabatista era ter uma igreja só de re…

Quem Eram Os Anabatistas?

Por João Oliveira Ramos Neto
A Reforma Protestante, no século XVI, teve quatro correntes principais. A primeira foi sistematizada por Martinho Lutero, na Universidade de Wittenberg, na Alemanha. Seus seguidores foram chamados de luteranos e criam que, ao contrário do que era então pregado pela Igreja Católica, as pessoas somente seriam salvas do pecado pela fé, e não pelas obras. A segunda corrente foi sistematizada por João Calvino em Genebra, Ulrico Zwínglio em Zurique e John Knok na Escócia. Seus seguidores receberam inicialmente o nome de reformados, e mais tarde ficaram conhecidos como presbiterianos. A terceira corrente é a reforma inglesa, pois teve início em 1534, quando o rei Henrique VIII rompeu com Roma e deu início à Igreja Anglicana. O quarto movimento foi chamado de Reforma Radical.
A Reforma Radical era composta por líderes cujas ideias pretendiam modificar substancialmente a Cristandade. Essa corrente, por sua vez, se subdivide em três grupos: Os racionalistas, como Ka…

Os Puritanos

Por João Oliveira Ramos Neto
Em 1534, na Inglaterra, o rei Henrique VIII promulgou um documento que foi chamado de Ato de Supremacia. Com isso, os ingleses romperam definitivamente com a Igreja Católica. Começava a Igreja Anglicana. Porém, foi no reinado da sua filha, Elizabeth I, que a nova doutrina foi estabelecida definitivamente. O que ela fez? É que, no período do reinado dela, a Inglaterra estava dividida. Uma parte da população queria continuar católica, enquanto outra parte queria adotar as novas ideias da Reforma Protestante. Então ela teve uma ideia brilhante! Ela fez com que a Igreja Anglicana ficasse em cima do muro. Ela manteve a liturgia católica para que o povo que queria continuar católico não visse nenhuma diferença quando fosse ao culto domingo. E ela adotou uma teologia protestante, para que a burguesia e outros membros da elite ficassem satisfeitos com as mudanças. Com isso, Elizabeth I conseguiu agradar uma grande parte da população e estabilizar seu reinado.
O pr…

Os Cristãos Antes Dos Batistas

Por João Oliveira Ramos Neto
Os batistas surgiram aproximadamente um milênio e meio depois dos primeiros cristãos. Por isso, para estudarmos a nossa história, precisamos saber o que aconteceu entre o término da narrativa do livro de Atos e o século XVII. Para isso, a seguir, apresentaremos um breve esboço dos principais eventos.

A Igreja Primitiva foi severamente perseguida pelos romanos e muitos cristãos morreram nos dois primeiros séculos. A situação mudou quando Constantino tornou-se imperador no ano 306 e converteu-se ao cristianismo em 312, depois de ter tido um sonho na véspera de uma importante batalha. Três ações suas foram fundamentais para definir o que mais tarde se tornaria a Igreja Católica. A primeira foi a promulgação do Edito de Milão em 313, colocando fim às perseguições aos cristãos. A segunda foi a convocação do Concílio de Niceia em 325, que deu origem ao primeiro credo doutrinário. A terceira foi transformar antigos templos pagãos em templos cristãos. A igreja ins…

O Surgimento Dos Batistas

Por João Oliveira Ramos Neto
Do primeiro ao décimo quinto século da nossa era, os cristãos viveram diferentes práticas de sua fé. A Igreja teve início logo após a descida do Espírito Santo, conforme narrado em Atos 2. Quatro séculos depois ela estava institucionalizada. Então houve um período chamado de Idade Média, cujo papa, de Roma, mandava em toda cristandade que compunha o território europeu. Nesse período, à medida que as práticas da Igreja se afastavam da Bíblia, muitos cristãos tentataram fazer modificações, mas não conseguiram, e foram vítimas da inquisição. Porém, tudo mudou no século XVI, com a Reforma Protestante.
Logo no começo do século XVI a Igreja Católica intensificou a prática das indulgências. A ideia dessa prática era vender a salvação da alma. Como assim? Vamos explicar! É que eles pregavam que alguns santos do passado praticaram tantas boas obras que criaram um tesouro excedente, que podia ser administrado pelo papa. Então, esse tesouro era colocado à venda. Com …

Os batistas e o grande despertamento

Por João Oliveira Ramos Neto
O chamado grande despertamento foi um período de grande avivamento espiritual entre o povo anglo-saxão, isto é, os Estados Unidos e o Reino Unido. Chamamos de despertamento, ou avivamento, uma restauração do fevor dos cristãos após um período de apatia espiritual. Nos séculos XVIII e XIX, muitos pregadores inflamados causaram grande comoção entre as pessoas daqueles países, ao ponto de mudarem o pensamento de grande parte da população. Afinal um avivamento caracteriza-se pelo grande número de conversão de pessoas que refletem direta e objetivamente na sociedade, principalmente nas questões sociais. O primeiro momento ocorreu entre os anos de 1730 a 1755. O segundo momento ocorreu entre 1790 e 1840.
O primeiro movimento teve início com um pregador puritano chamado Jonathan Edwards (1703-1758). Ele era pastor de uma igreja congregacional em Massachusetts, na época em que os Estados Unidos ainda eram colônia da Inglaterra. Seu sermão mais famoso foi "Pec…