Pular para o conteúdo principal

Por que eu sofro? - R. C. Sproul

Por R. C. Sproul

A confiança de Jó vacilou, mas nunca morreu. Ele se lamentou. Chorou. Protestou. Questionou. Até mesmo amaldiçoou o dia de seu nascimento. Mas agarrou-se firmemente à sua única esperança possível, sua confiança em Deus. Houve ocasiões em que Jó esteve pendurado na ponta dos dedos. Mas ele se segurou. Ele se amaldiçoou. Repreendeu sua esposa, mas nunca amaldiçoou a Deus.

Jó implorou para que Deus respondesse suas perguntas. Desesperadamente ele queria saber por que tinha sido chamado para suportar tanto sofrimento. Finalmente Deus lhe respondeu do meio do redemoinho. Mas a resposta não foi a que Jó esperava. Deus se recusou a apresentar a Jó uma explicação detalhada das suas razões para o sofrimento. O conselho secreto de Deus não foi revelado a Jó.

Em última análise, a única resposta que Deus deu a Jó foi uma revelação de si mesmo. E como se Deus tivesse dito: "Jó, eu sou a sua resposta." Jó não foi chamado a con¬fiar num plano, mas numa Pessoa, num Deus pessoal que é soberano, sábio e bom. É como se Deus tivesse dito a Jó: Aprenda quem eu sou. Quando você me conhecer, saberá o suficiente para enfrentar qualquer coisa."

Deus estava pedindo a Jó que exercitasse uma fé implícita. Uma fé implícita não é uma fé cega. É a fé com visão, uma visão iluminada pela conhecimento do caráter de Deus.

Se Deus nunca nos tivesse revelado qualquer coisa a seu respeito e exigisse que confiássemos nele mesmo no escuro, então a exigência seria por uma fé cega. Seríamos convocados a dar um salto cego de fé no terrível abismo das trevas.

Mas Deus nunca exige estes salto tolos. Ele nunca nos chama para saltar nas trevas. Ao contrário, ele nos chama para abandonar as trevas e entrar na luz. E a luz da sua presença. A luz radiante da sua Pessoa, que não tem sombra de variação. Quando somos banhados com o refulgente esplendor da glória da sua pessoa, então a confiança não é cega.

Quando Jó declarou: "Mesmo que ele me mate, ainda assim confiarei nele", estava nos mostrando que, embora seu conhecimento de Deus fosse limitado, mesmo assim era profundo. Ele conhecia suficientemente o caráter de Deus para saber que ele era confiável. Ser confiável significa ser digno de confiança.

Deus é digno de nossa confiança. Ele merece que confiemos nele. Quanto mais entendemos sua perfeição, mais entendemos quão confiável ele é. Esta é a razão por que a peregrinação cristã avança de fé em fé, de força em força, de graça em graça. Ironicamente, é Através do sofrimento e da tribulação que este progresso se faz. Esta é a razão pela qual Paulo pode escrever as seguintes palavras:
"E não somente isto, mas também nos gloriemos nas próprias tribulações, sabendo que a tribulação produz perseverança; e a perseverança, esperança. Ora, a esperança não confunde, porque o amor de Deus é derramado em nossos corações pelo Espírito Santo que nos foi outorgado". Romanos 5.3-5.
Aqui somos assegurados de que "a esperança não desaponta". Outras traduções falam de uma esperança com a qual não ficamos envergonhados ou embaraçados.

Esperança cega, assim como fé cega, sem dúvida nos desapontará. Esperança cega tateia inutilmente nas trevas. Tropeça em obstáculos que não são vistos. Colocar toda a esperança num único objetivo e não ter a realização deste objetivo, é realmente desapontador.

Esperança cega pode ser embaraçosa. Colocamos nossa cabeça para fora apenas para nos sentirmos abandonados se nossa ousadia não der resultado. A esperança que descansa em Cristo não ficará embaraçada. A vergonha ficará para aqueles que colocam sua esperança em outras coisas. A esperança que falha é aquela que não tem poder para vencer a morte.

Se minha esperança está colocada em qualquer coisa ou qualquer pessoa menor do que aquele que tem poder sobre a morte, estou fadada a um desapontamento final. O sofrimento me conduzirá à desesperança. Qualquer dignidade (qualidade) que eu tenha se desintegrará.

É a esperança em Cristo que torna possível para nós perseverar em tempos de tribulação e tristeza. Temos uma âncora para nossas almas que descansa naquele que foi antes de nós e venceu.

Fonte: http://www.josemarbessa.com/2012/01/por-que-eu-sofro-r-c-sproul.html

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A experiência de continuar sendo salvo

Convido você a assistir este vídeo onde exponho a mensagem bíblica: "A experiência de continuar sendo salvo".



Gostou do vídeo? Compartilhe no Facebook, no Twitter e nas demais plataformas usando a ferramenta abaixo. Sugira novos temas. Deixe seu comentário abaixo.

FORMATURA CASADOS PARA SEMPRE - Turma IBMA 2012 / 1º Semestre

O Curso "Casados para sempre" tem alcançado pessoas ao redor do mundo todo com uma visão bíblica sobre casamento.
No dia 03 de junho de 2012 tivemos a formatura da primeira turma da Igreja Batista Maysa I, pela graça e bençãos de Deus.

A formatura aconteceu no culto de domingo a noite, e o pastor nos repassou a direção do mesmo, assim fizemos um culto das famílias para Deus. O Senhor nos abençoou com uma Palavra edificante e profunda, confirmando cada vez a suficiência da Bíblia em fornecer toda a direção necessária para a vida humana, sobretudo familiar, por meio da fé em Jesus Cristo, com a ação do Espírito Santo, pela graça de Deus.

Os casais tiveram o momento de testemunhar e cada cônjuge falou aquilo que Deus fez nas suas vidas, o que começou e está continuando. Falaram das aulas que mais gostaram e incentivaram, de livre vontade, os presentes a fazerem o Casados para Sempre. Todos os testemunhos, sem exceção, foram sinceros e demonstraram aquilo que Deus operou por mei…

GRANDES projetos, mas sem DEUS (Julio Oliveira Sanches)

Na vida diária temos muitos detalhes que fazem a diferença para os sucessos que desejamos (no sentido de objetivos serem atingidos). Escrevendo para O Jornal Batista (Ano CXIII, Edição 10), o pastor Julio Oliveira Sanches comentou acerca de grandes projetos que essa era tem feito, mas excluindo Deus, e, portanto, as consequencias colhidas. Preste muita atenção nas suas colocações, pois foi exatamente o que me fez escolher este artigo para a semana. Os destaques são meus. Confira na íntegra abaixo:

Faz parte da natureza corrompida pelo pecado "sonhar” grandes projetos para Deus, mas sem respaldo da aprovação divina. Uma tentativa de comprar os favores divinos e compensar os pecados não confessados e não perdoados. Deus não é consultado, tampouco participa da elaboração e execução das megalomanias humanas. O nome de Deus é citado como fetiche aprovador das maluquices humanas. Cabe a Deus dar a aprovação final com suas bênçãos para que o sucesso alimente os egos desequilibrados dos q…