Pular para o conteúdo principal

A fé se arrisca a falhar


Por A. W. Tozer

Neste mundo os homens são julgados pela habilidade com que fazem as coisas. São avaliados de acordo com a distância que cobriram na escalada do monte da realização. No sopé jaz o fracasso; no topo o sucesso completo; e entre esses dois extremos a maioria dos homens civilizados sua e labuta, da juventude à velhice.

Alguns desistem e escorregam para o sopé, e se tornam ocupantes da fileira do Raspa-Chão. Ali, perdida a ambição e rota à vontade, subsistem graças a empréstimos, até a natureza executar-lhe a hipoteca e a morte os levar.

No alto estão os poucos que, por uma combinação de talento, árduo trabalho e boa sorte, conseguem chegar ao pico, e ao luxo, fama e poder que ali se encontram. Mas nisso tudo não há felicidade. O esforço para ter sucesso exerce muita pressão sobre os nervos. A excessiva preocupação com a luta pela conquista aperta a mente, endurece o coração e veda mil visões fulgurantes que poderiam ser desfrutadas se tão somente houvesse vagar por notá-las.

O homem que chega ao pináculo raramente é feliz por muito tempo. Logo é devorado por temores de que pode escorregar uma estaca abaixo e ser forçado a dar seu lugar a outro. Acham-se exemplos disto no modo febril como o artista observa a classificação do seu valor, e como o político examina as pesquisas de sua popularidade.

Faça-se saber a um magistrado eleito que um levantamento de dados mostra que ele é dois por cento menos popular do que antes, e ele começa a suar como um homem a caminho da prisão. O jogador de futebol vive por médias de rendimento em campo, o homem de negócios por seu gráfico ascendente, e o concertista pelo medidor de seus aplausos. Não é incomum suceder que o lutador desafiante no ringue chore abertamente por não conseguir nocautear o campeão. Ser o segundo colocado o deixa completamente desconsolado; tem de ser o primeiro para ser feliz.

Esta mania de sucesso seria uma boa coisa, caso fosse deslocado para cumprimento do propósito de Deus. Mas o pecado retorceu este impulso e fez dele uma cobiça egoística pelo primeiro lugar e pelas honras das primeiras posições. O mundo inteiro dos homens é arrastado por esta cobiça, como por uma correnteza feroz, e não há escape.

Quando vemos a Cristo entramos num mundo diferente. O Novo Testamento nos apresenta uma filosofia espiritual infinitamente mais elevada do que a que motiva o mundo, e inteiramente contrária a ela.

Conforme o ensino de Cristo, os humildes de espírito são bem-aventurados; os mansos herdam a terra; os primeiros são os últimos, e os últimos são os primeiros; o maior homem é aquele que serve melhor os outros; e o que perde tudo é por fim possuirá tudo; o homem do mundo, coroado de êxito, verá os tesouros que acumulou serem varridos pela tempestade do juízo; o mendigo justo vai para a coroação eterna, enquanto o rico soberbo segue para a rejeição eterna.

Jesus morreu em aparente fracasso, desacreditado pelos líderes religiosos, rejeitado pela sociedade e abandonado por seus amigos. O homem que o mandou para a cruz foi o estadista de sucesso cuja mão o mercenário político beijara. Coube a ressurreição demonstrar quanto Jesus havia triunfado e quão tragicamente o governador tinha fracassado.

Contudo, a impressão que se tem hoje é que os cristãos não aprenderam nada. Continuamos vendo os homens julgando segundo critérios humanos! Quanto trabalho religioso feito com o ativismo por motivações erradas! Quantas horas de orações vãs são gastas para pedir a Deus que abençoe projetos para glorificação de homens! Quanto dinheiro é gasto para promoção de exibições carnais!

O cristão verdadeiro deve fugir disto tudo e examinar lá no fundo seus motivos íntimos. Ninguém merece sucesso enquanto não estiver disposto a fracassar. Ninguém é digno de sucesso em atividades cristãs enquanto não quiser que a honra da vitória vá para outrem, se esta for a vontade de Deus.

Deus talvez permita que o seu servo tenha êxito depois de tê-lo disciplinado, a tal ponto que ele não precise vencer para ser feliz. O homem a quem o sucesso exalta e o fracasso abate é carnal ainda. Na melhor das hipóteses, o fruto que der terá bicho.

Deus permitirá o sucesso a seu servo quando este aprender que o sucesso não o torna mais caro a Deus. Não podemos comprar o favor de Deus com grandes reuniões ou apresentando conversos ou fazendo obras embaladas por esforço humano. Todas estas coisas podem ser realizadas sem auxílio do Espírito Santo. Uma boa personalidade e um penetrante conhecimento da natureza humana é tudo que qualquer pessoa precisa para ser um sucesso nos círculos religiosos hoje em dia.

A nossa honra está em sermos precisamente o que Jesus foi e é. Ser aceito pelo que o aceitam, rejeitado pelos que o rejeitam, amado pelos que o amam e odiado pelos que o odeiam – que maior glória poderia advir alguém?

Podemos dispor-nos a seguir a Cristo rumo ao fracasso. A fé se arrisca a falhar. A ressurreição e o juízo demonstrarão perante os mundos todos, quem ganhou e quem perdeu. Podemos esperar.”

Texto extraído do livro “O Melhor de A. W. Tozer” – Editora Mundo cristão; recebido por e-mail do irmão Sergio Muller de Joinville no dia 11.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A experiência de continuar sendo salvo

Convido você a assistir este vídeo onde exponho a mensagem bíblica: "A experiência de continuar sendo salvo".



Gostou do vídeo? Compartilhe no Facebook, no Twitter e nas demais plataformas usando a ferramenta abaixo. Sugira novos temas. Deixe seu comentário abaixo.

FORMATURA CASADOS PARA SEMPRE - Turma IBMA 2012 / 1º Semestre

O Curso "Casados para sempre" tem alcançado pessoas ao redor do mundo todo com uma visão bíblica sobre casamento.
No dia 03 de junho de 2012 tivemos a formatura da primeira turma da Igreja Batista Maysa I, pela graça e bençãos de Deus.

A formatura aconteceu no culto de domingo a noite, e o pastor nos repassou a direção do mesmo, assim fizemos um culto das famílias para Deus. O Senhor nos abençoou com uma Palavra edificante e profunda, confirmando cada vez a suficiência da Bíblia em fornecer toda a direção necessária para a vida humana, sobretudo familiar, por meio da fé em Jesus Cristo, com a ação do Espírito Santo, pela graça de Deus.

Os casais tiveram o momento de testemunhar e cada cônjuge falou aquilo que Deus fez nas suas vidas, o que começou e está continuando. Falaram das aulas que mais gostaram e incentivaram, de livre vontade, os presentes a fazerem o Casados para Sempre. Todos os testemunhos, sem exceção, foram sinceros e demonstraram aquilo que Deus operou por mei…

GRANDES projetos, mas sem DEUS (Julio Oliveira Sanches)

Na vida diária temos muitos detalhes que fazem a diferença para os sucessos que desejamos (no sentido de objetivos serem atingidos). Escrevendo para O Jornal Batista (Ano CXIII, Edição 10), o pastor Julio Oliveira Sanches comentou acerca de grandes projetos que essa era tem feito, mas excluindo Deus, e, portanto, as consequencias colhidas. Preste muita atenção nas suas colocações, pois foi exatamente o que me fez escolher este artigo para a semana. Os destaques são meus. Confira na íntegra abaixo:

Faz parte da natureza corrompida pelo pecado "sonhar” grandes projetos para Deus, mas sem respaldo da aprovação divina. Uma tentativa de comprar os favores divinos e compensar os pecados não confessados e não perdoados. Deus não é consultado, tampouco participa da elaboração e execução das megalomanias humanas. O nome de Deus é citado como fetiche aprovador das maluquices humanas. Cabe a Deus dar a aprovação final com suas bênçãos para que o sucesso alimente os egos desequilibrados dos q…