Pular para o conteúdo principal

O que Jesus disse?

Estava vendo há pouco o dicionário de grego e verifiquei a palavra que nos leva à "mateteísate", usada em Mateus 28.19 quando Jesus diz para fazermos discípulos; discipularmos.

A palavra é realmente "discipular, ensinar". Uma outra tradução possível seria "Indo, pois, ensinem todas as nações...".

O conceito usado hoje normalmente é de pregar. Sim, devemos pregar. Mas as pregações antigamente parece que tinham o interesse de ensinar o Evangelho, conforme as palavras de Jesus. Hoje temos o conceito de divulgar (e como numa campanha política, atrair com promessas). Mas o verbo usado por Jesus não é como o de propaganda, como muitos acreditam, no sentido humano de fazer marketing. Alguns pensam em estudar marketing e usar os princípios para o Evangelho, mas este é antes daquele. Jesus não disse para anunciar, fazer propaganda, mas para ensinar: "Discipulai todas as nações", também é outra tradução possível.

Fico tenso quando vejo algumas igrejas sem a atenção com o discipulado, não apenas a classe do discipulado, mas despreocupados em discipular mesmo as pessoas que estão ali, fazendo o culto e as demais atividades girarem em torno desta meta do ide: "discipulai" (e não "abençoai" no sentido de matéria, como é bastante vista hoje a bênção de Deus; nem "acumulai" conhecimento bíblico). Algumas até querem, mas não conseguem. Não é apenas sair e anunciar, fazer discípulos envolve orar, acompanhar, saber da pessoa. E mesmo quando há uma classe de discipulado nem sempre há envolvimento genuíno, até do próprio pastor, para compromisso do que se está lecionando, se é relevante, contundente com os objetivos da Escritura, pois os membros estão sendo abastecidos ali. E, repetindo, não apenas na sala de aula da igreja, mas no cotidiano, e neste caso com atenção e ação no preparo dos discipuladores.

É importante esclarecer que a palavra utilizada não tem o sentido de apropriação de conhecimento como numa faculdade, mas tem muito mais ligação com uma aprendizagem para o cumprimento da vontade de Deus, com uma total devoção a alguém, neste caso Jesus Cristo. A questão do tempo como período também é importante. No caso de Jesus o emprego da palavra discipulado é diferente até do seu uso secular, pois mesmo filósofos têm discípulos, ou do seu uso religioso rabínico, que também fazem discípulos; pois o objetivo dos seguidores nestes dois ambientes citados é de tornarem-se mestres, e essa passagem pelo discipulado, mesmo que o aprendiz apegue-se com zelo ao mestre, o que normalmente acontece, tem um período para acontecer e pode haver uma separação deles. No caso do Senhor a chamada dEle é para uma negação da natureza pecaminosa, do ego, e um seguimento a Deus, mas por toda a vida, não tem um fim. Quando seguimos a Jesus deixamos outras coisas para trás. Não é uma promoção, mas um chamado. Contudo, é a vida, a verdade e o caminho. 

O discipulado proposto por Jesus, além do descrito acima, também envolve serviço. Portanto ide e fazei discípulos quer dizer que teremos que mostrar e ensinar a trabalhar, não para si, mas para os outros.

Um pouco deste pensamento até aqui me faz ver o quanto todo este eterno ensinamento de bênçãos, de prosperidade e afins teimam em permanecer longe das palavras pronunciadas pelos lábios do Senhor. Ele, e Seu pensamento, Sua direção, nem sempre estão nos objetivos dessas igrejas. Longe de querer parar e criticar, quero libertar-me e fazer as coisas propostas que estão no meu coração e conhecer mais a Deus. Sim, lamento o muito barulho que tem abafado o Evangelho, mas o testemunho às nações, nos moldes rascunhados - e de aperfeiçoamento e de continuamente maior compreensão necessária (sobretudo coletiva) - certamente mostrarão ao mundo o verdadeiro Evangelho começado por Cristo. 

Aos que estão pensando assim também, creio que basta colocar a "mão na massa" com o que está em seu coração (interior, mente, pensamento, reflexão, sentimento) e agir. Se o início do seu agir é simples, tem muitas chances de ser de Deus e não seu.

Consulta:
COENEN, Lothar; BROWN Colin (orgs.). Dicionário internacional de teologia do novo testamento. São Paulo: Vida Nova, 2000. P. 581 - 587.

NOVO TESTAMENTO. Interlinear grego-português. Barueri: Sociedade Bíblica do Brasil, 2004.

GINGRICH, F. Wilbur. Léxico do Novo Testamento: grego, português. São Paulo: Vida Nova, 2007.


Soli Deo Gloria.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A experiência de continuar sendo salvo

Convido você a assistir este vídeo onde exponho a mensagem bíblica: "A experiência de continuar sendo salvo".



Gostou do vídeo? Compartilhe no Facebook, no Twitter e nas demais plataformas usando a ferramenta abaixo. Sugira novos temas. Deixe seu comentário abaixo.

FORMATURA CASADOS PARA SEMPRE - Turma IBMA 2012 / 1º Semestre

O Curso "Casados para sempre" tem alcançado pessoas ao redor do mundo todo com uma visão bíblica sobre casamento.
No dia 03 de junho de 2012 tivemos a formatura da primeira turma da Igreja Batista Maysa I, pela graça e bençãos de Deus.

A formatura aconteceu no culto de domingo a noite, e o pastor nos repassou a direção do mesmo, assim fizemos um culto das famílias para Deus. O Senhor nos abençoou com uma Palavra edificante e profunda, confirmando cada vez a suficiência da Bíblia em fornecer toda a direção necessária para a vida humana, sobretudo familiar, por meio da fé em Jesus Cristo, com a ação do Espírito Santo, pela graça de Deus.

Os casais tiveram o momento de testemunhar e cada cônjuge falou aquilo que Deus fez nas suas vidas, o que começou e está continuando. Falaram das aulas que mais gostaram e incentivaram, de livre vontade, os presentes a fazerem o Casados para Sempre. Todos os testemunhos, sem exceção, foram sinceros e demonstraram aquilo que Deus operou por mei…

GRANDES projetos, mas sem DEUS (Julio Oliveira Sanches)

Na vida diária temos muitos detalhes que fazem a diferença para os sucessos que desejamos (no sentido de objetivos serem atingidos). Escrevendo para O Jornal Batista (Ano CXIII, Edição 10), o pastor Julio Oliveira Sanches comentou acerca de grandes projetos que essa era tem feito, mas excluindo Deus, e, portanto, as consequencias colhidas. Preste muita atenção nas suas colocações, pois foi exatamente o que me fez escolher este artigo para a semana. Os destaques são meus. Confira na íntegra abaixo:

Faz parte da natureza corrompida pelo pecado "sonhar” grandes projetos para Deus, mas sem respaldo da aprovação divina. Uma tentativa de comprar os favores divinos e compensar os pecados não confessados e não perdoados. Deus não é consultado, tampouco participa da elaboração e execução das megalomanias humanas. O nome de Deus é citado como fetiche aprovador das maluquices humanas. Cabe a Deus dar a aprovação final com suas bênçãos para que o sucesso alimente os egos desequilibrados dos q…