Pular para o conteúdo principal

Trabalhar não é tudo na vida


Por Marleth Silva



Na categoria de perguntas desconcertantes que se pode fazer a alguém, uma das mais maliciosas é: seu trabalho serve para que, mesmo? Tirando alguns profissionais, como dentistas, enfermeiras e professores, cuja ocupação tem uma óbvia serventia, a maioria de nós está encarregado de tarefas que, sob um olhar rigoroso, são fúteis.


O conhecimento se especializou a tal ponto que hoje cada profissional cuida de pequenos elos de uma cadeia produtiva, os quais, isoladamente, pa recem não servir para nada. O sujeito pode ser o maior expert do mundo em dínamos de reatores e se tivesse que sobreviver sozinho (se o apagão o deixasse isolado em uma fazenda, por exemplo) não saberia achar soluções para problemas banais que um agricultor do século passado já sabia resolver.

Dentro da lógica do mercado de trabalho, a especialização valoriza o profissional. Só o especialista domina uma tecnologia e por isso é mais valorizado. Mas do ponto de vista da passagem de cada ser humano pela Terra, a hiperespecialização torna algumas situações patéticas. Afinal, o sujeito gasta oito ou dez horas de seu dia, décadas de sua vida, fa zendo algo que, visto por esta gran de angular, parece uma mera forma de passar o tempo.


Não estou dizendo que há algo errado com o trabalho em si. O fato é que ele se tornou um elemento identificador da importância de uma pessoa. Ao mesmo tempo, a estrutura erguida ao redor do ser humano é complexa e baseada no consumismo. Para que o consumo de bens que move o mundo se mantenha em ritmo acelerado, é despendido muito esforço em inovação de produtos, marketing e publicidade, e logística. Esforço que exige milhões de pessoas se ocupando de tarefas especializadas e passageiras, que dentro de um contexto maior, parecem insignificantes. Pode-se dizer que o trabalho feito com boa vontade é sempre nobre. E é. Mas isso não serve como resposta para a pergunta desconcertante.


As perguntas desconcertantes têm muita utilidade (desde que tenhamos a delicadeza de não fazê-las em público...). Boas perguntas nos ajudam a ver as situações por um novo ângulo. Concluir que o trabalho é passageiro e, frequentemente, de pouca significância, pode deixar o sujeito deprimido ou libertá-lo. Libertação, no caso, não significa abandonar o trabalho. Significa lembrar que para uma ocupação fazer sentido na nossa vida ela deve nos dar prazer. E se ela for arrancada da nossa vida por algum motivo, a vida não acaba. Porque trabalho é um elemento do mundo ao qual nos dedicamos primariamente por necessidade de dinheiro.


Na mentalidade que prevalece nas últimas décadas, o homem é o seu trabalho. Balela. O homem é muito mais que o seu trabalho. Um ofício não mede o valor de ninguém desvalorizado que o dos poetas? E, no entanto, os bons poetas são eternos, “conversam. Quer trabalho mais” com pessoas nascidas séculos depois deles e iluminam suas vidas (quantas pessoas por aí podem dizer ao fim de um mês de trabalho: “Neste mês de novembro, iluminei a vida de uma pessoa”?). Enquanto isso, outros profissionais muito bem remunerados e cheios de importância caem no esquecimento assim que entram na aposentadoria. É cruel dizer isso, mas, de novo, a constatação de que o que fazemos não nos torna melhores ou piores que outros é que vai nos libertar.


Marleth Silva, na Gazeta do Povo.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A experiência de continuar sendo salvo

Convido você a assistir este vídeo onde exponho a mensagem bíblica: "A experiência de continuar sendo salvo".



Gostou do vídeo? Compartilhe no Facebook, no Twitter e nas demais plataformas usando a ferramenta abaixo. Sugira novos temas. Deixe seu comentário abaixo.

FORMATURA CASADOS PARA SEMPRE - Turma IBMA 2012 / 1º Semestre

O Curso "Casados para sempre" tem alcançado pessoas ao redor do mundo todo com uma visão bíblica sobre casamento.
No dia 03 de junho de 2012 tivemos a formatura da primeira turma da Igreja Batista Maysa I, pela graça e bençãos de Deus.

A formatura aconteceu no culto de domingo a noite, e o pastor nos repassou a direção do mesmo, assim fizemos um culto das famílias para Deus. O Senhor nos abençoou com uma Palavra edificante e profunda, confirmando cada vez a suficiência da Bíblia em fornecer toda a direção necessária para a vida humana, sobretudo familiar, por meio da fé em Jesus Cristo, com a ação do Espírito Santo, pela graça de Deus.

Os casais tiveram o momento de testemunhar e cada cônjuge falou aquilo que Deus fez nas suas vidas, o que começou e está continuando. Falaram das aulas que mais gostaram e incentivaram, de livre vontade, os presentes a fazerem o Casados para Sempre. Todos os testemunhos, sem exceção, foram sinceros e demonstraram aquilo que Deus operou por mei…

GRANDES projetos, mas sem DEUS (Julio Oliveira Sanches)

Na vida diária temos muitos detalhes que fazem a diferença para os sucessos que desejamos (no sentido de objetivos serem atingidos). Escrevendo para O Jornal Batista (Ano CXIII, Edição 10), o pastor Julio Oliveira Sanches comentou acerca de grandes projetos que essa era tem feito, mas excluindo Deus, e, portanto, as consequencias colhidas. Preste muita atenção nas suas colocações, pois foi exatamente o que me fez escolher este artigo para a semana. Os destaques são meus. Confira na íntegra abaixo:

Faz parte da natureza corrompida pelo pecado "sonhar” grandes projetos para Deus, mas sem respaldo da aprovação divina. Uma tentativa de comprar os favores divinos e compensar os pecados não confessados e não perdoados. Deus não é consultado, tampouco participa da elaboração e execução das megalomanias humanas. O nome de Deus é citado como fetiche aprovador das maluquices humanas. Cabe a Deus dar a aprovação final com suas bênçãos para que o sucesso alimente os egos desequilibrados dos q…